DESTINOS

Visite SINTRA e os palácios em um dia

Sintra foi declarada Património da Humanidade pela Unesco e é uma paragem obrigatória para os turistas. Quando vem a Lisboa é bastante invulgar. Uma viagem de um dia permite que você explore a cidade e os principais edifícios ao redor. De minha parte, consegui fazer três dos múltiplos Retiradas, Casas de luxo e muito mais Fazendas, Casas de férias da aristocracia local.

Como ir de Lisboa a Sintra?

Sintra fica a cerca de 25 km a oeste de Lisboa. Como sempre acontece, existem várias maneiras de contornar, Alugar um carro (Antigo: Carro alugado ou Europcar), de ônibus com guia… mas é o mais práticoPegue o trem para Sintra (Saídas a cada 20-30 minutos, 45 minutos de carro, € 4,50 ida e volta + € 0,5 cartão de apoio). Duas estações servem a cidade, a estação do Rossio (no centro da cidade) e a estação do Oriente. Apanhei o comboio na estação do Rossio porque está mais bem posicionado para o meu alojamento. Tive alucinações quando vi a cobra, e novamente era outubro, nem consigo me imaginar no auge do verão! Felizmente eu fiz Mapa de lisboa Inclui transporte e não precisei fazer fila para comprar a passagem.

Sintra, um local ultra-mega-hiper-turístico!

Desça do trem, da cozinha. Toda a multidão tem que andar pelas duas galerias sozinha e as coisas estão muito ocupadas. Então saia da estação … absolutamente insuportável! As calçadas estão cheias de turistas atropelando, guias de publicidade, buzinas de tuk-tuk, ônibus estacionados … Opressivo, sufocante! Rápido, saia daí, fuja da multidão, respire! Algumas centenas de metros adiante, na direção da prefeitura, ela está quase um pouco melhor … E novamente foi em outubro, no Dia de Todos os Santos. Não consigo nem imaginar o horror no auge do verão!

Para chegar ao centro histórico de Sintra, basta seguir o rio no passeio de uma rua do subúrbio que dá acesso à Praça da República, onde se encontra o Palácio Nacional. A partir daí, a multidão se condensa novamente. Aliás, uma dica de um amigo, se vem a Sintra no verão ou na primavera, recomendo vivamente que chegue cedo eCompre seus ingressos com antecedência evite as longas filas. Principalmente porque cada prédio é independente e você precisa fazer fila novamente para cada saída. Quando se visita Sintra, não há muito para ver além de algumas ruas comerciais.

Onde comer em Sintra

O turismo de massa obriga, não são os restaurantes que não vão tentar seduzi-lo. Cartazes em ruas movimentadas ajudam. Nos perdendo em uma pequena passagem, encontramos nossa felicidade no final de um beco sem saída de charme, livre da multidão. O restaurante e a mercearia raiz Pegue e vá (Para encontrá-lo, amplie o mapa no final do artigo) tem um endereço muito agradável com seu terraço sombreado refrescante. Boas vindas muito amigáveis ​​(o cara até me mostrou o melhor ponto de vista – na janela – para tirar fotos quando me viu fazendo isso). Os pratos são variados com peixes, orgânicos e vegetarianos muito bons (entre 6 e 10 €). Estava simplesmente delicioso!

O primeiro dos palácios de Sintra que visitámos por se situar no centro da cidade. Você pode ver sua arquitetura única com seus dois enormes cones brancos da rua. Construído no XII.é Século nas fundações de um Alcáçova (Fortaleza mourisca) serviu de residência aos reis de Portugal. O palácio foi ampliado nos séculos 14 e 15é Séculos para se tornar uma mistura complexa Arquitetura manuelina e estética árabe.

Visitar o Palácio Nacional de Sintra irá gradualmente colocá-lo no clima com o Salão dos Arqueiros, depois Sala dos cisnes, a maior sala de estado do palácio. Anteriormente conhecido como “Grande Salão”, era destinado a recepções e banquetes. Se eu nome atual remonta aos 27 cisnes pintados nas caixas do teto. O caminho então leva você por várias salas decoradas com Ladrilho de modelos diferentes, como Sala da pega (aparentemente em resposta a uma história de adultério …) com seu escritório oficial, quarto de rei Sebastião, cozinha e teto abobadado em forma de casco de navio … até estilhaçar as pequenas piscinas do Jardim do Príncipe fora e no ar terraço.

Para ser honesto, a descoberta até agora tem sido agradável, mas sem ser muito frívola. O destaque da visita, no entanto, está fora de contexto Brazão ! Uma sala enorme onde o olhar é imediatamente, desesperançado, vertiginosamente desenhado, perpendicular ao teto árabe. O conjunto está decorado com brasões de 72 famílias nobres portuguesas do século XVI. Ornamentadoé Século. Nos corredores as paredes são revestidas com azulejos figurativos de plantas, móveis, mas sobretudo com molduras que representam cenas da vida, em particular caçadas.

Seguindo o Capela Palatina vale a pena dar uma olhada com seus desenhos de pombos segurando ramos de oliveira no bico. O caleidoscópico teto em caixotões de Estilo mudéjar também é notável e me lembra os dos palácios de Marrakech. Em seguida, a sala árabe com um poço indiano no chão e o famoso Cozinhas com duas enormes lareiras 33 metros de altura, visível no interior. Pouco prazer pessoal em descobrir uma cruz da Sabóia com uma parede (il cozinhar foi um ancestral de Marc Veyrat?).

Eventualmente nós o cruzamos Sala manuelina com lustre e móveis antigos. Depois, uma esplanada permite uma paragem contemplativa no passeio marginal da Praça da República (no final de Outubro bastante calmo enquanto se come …) e no monte do Castelo dos Mouros. No final do curso, voltamos com o “Caverna de banho“, Possibilidade de Ninfeu decorado com estuque com motivos aquáticos. Sem pressa, demorou uma longa hora a visitar o Palácio Nacional de Sintra.

De X.é No século XVII durante a ocupação ibérica, o Castelo dos Mouros é uma fortaleza construída pelos muçulmanos na serra de Sintra e investida pelo Neolítico e depois pelos Romanos. A 412 metros acima do nível do mar, servia como posto avançado para monitorizar o Oceano Atlântico e controlar as rotas terrestres para Lisboa. Foi durante a reconquista de 12.é Século que se tornou português. Ela se beneficiou de restaurações durante o século 19é e XXé Séculos.

PARA Acesso ao castelo, uma trilha de caminhada começa nas Alturas da Baixa de Sintra (a verde no mapa abaixo). Siga a montanha no lado noroeste por 2 km até o caixa, após o Vila Sassetti é um lugar de escalando. O percurso começa com um caminho pavimentado num jardim botânico e depois transforma-se num caminho de terra. Não é nada complicado, mas se você não está absolutamente acostumado a fazer caminhadas na montanha pode ser cansativo (de meia hora a 1 hora de caminhada dependendo da facilidade).

Em alternativa, o autocarro Scotturb número 434 liga o centro da cidade e o Palácio da Pena através do Castelo dos Mouros. O posto de turismo anunciou € 4 pelo bilhete e 1 / 4h de viagem, mas … a rapariga que o pegou teve de pagar € 7 no autocarro no meio do enxame de turistas sem poder barganhar com um condutor grosseiro. Finalmente chegou 3/4 horas depois de sairmos! Em seguida, com os ingressos no bolso, siga o caminho pavimentado no lado sudeste. Pouco antes da entrada, uma antiga igreja apresenta achados arqueológicos de escavações, em particular de necrópoles posteriores.

No interior não existe um caminho pré-determinado, cada visitante pode caminhar à vontade dependendo do relevo do morro. Primeiro vamos para o norte e subimos na direção a cidadela e sua fortaleza. O local fortificado era o último bastião da resistência no caso de uma invasão inimiga. A vista percorre Sintra e as aldeias vizinhas Lisboa. A parede desce para a Place d’Armes com vista para a costa atlântica. Vista de cima, as muralhas lembram a Grande Muralha da China, com a perspectiva de sua linha serpenteando colina acima. Vários miradouros alinham o percurso e exibem as várias bandeiras de Portugal ao longo da história. Entre eles está uma bandeira verde onde se lê “Sintra” em árabe, uma homenagem às origens do forte.

Após uma curta subida, finalmente alcançamos o Torre Real, assim chamado porque aparentemente era o lugar favorito de Fernando II (ele pintou lá). O ponto mais alto do castelo, virado a sul, oferece uma vista panorâmica de 360 ​​° de toda a fortaleza do castelo dos mouros. Sintra ParkO Palazzo Pena está localizado em sua colina acima da floresta e dos arredores, a perder de vista.

Seguidamente, um caminho conduz ao pátio do castelo, ao nível das antigas cavalariças onde se encontra a antiga cisterna e, conforme o requer a modernidade, um café, uma loja e instalações sanitárias. No final, nada de particularmente surpreendente ao visitar o castelo dos Maures, mas sim uma hora muito agradável de passeio no tempo …

Pode chegar ao Palácio da Pena em 10-15 minutos a pé a partir do Castelo dos Mouros por um caminho na floresta (também pode seguir a estrada). Os ônibus esperando nas laterais e a quantidade de piquetes nas filas dos caixas não mentem, É O local turístico a visitar em Sintra! A multidão no parque seguindo os líderes das bandeiras confirma a intuição, que então se torna uma certeza.

Quando chegamos à beira do prédio, ficamos confusos. Parece algum tipo de castelo Walt Disney que parece falso, como um cenário feito de Lego com essas cores básicas. Depois de passar por um imponente portal oriental e depois por outra “fortaleza”, subimos o caminho e chegamos aos vários socalcos em vários níveis. Estamos quase perdidos. São vislumbres da paisagem circundante e, se não mais, do próprio edifício, uma passagem permite um passeio panorâmico para o norte, oposto ao que já foi no Chateau des Maures.

© Olho de Edward /. Instagram 📷

O conjunto combina a arquitectura neo-românica com ornamentos neo-medievais (torres, ameias, etc.), neogótica (janelas, portas, etc.), neo-mourisca (azulejos) e neo-romântica (motivos vegetalistas, etc.) . torções, etc.).). Uma salamandra (meio humano, meio peixe) aparece no grande portão principal, segurando a árvore da vida em uma alegoria da criação do mundo. Atrás dele, um pátio medieval com vista para o parque e a costa. Acima da escadaria, uma pequena pérola a não perder, uma capela finamente decorada, cuja origem remonta ao antigo mosteiro dos Jerónimos com um esplêndido altar de alabastro do século XVI.é Século.

A entrada não é fácil de encontrar (na esquina entre o edifício principal e o da direita) e questionámo-nos se o interior era acessível. A visita (1h-1h30) inicia-se pelo antigo claustro, que combina o estilo manuelino com os azulejos hispano-árabes. Em seguida, passamos pelas muitas salas do palácio. Além disso, estou um pouco chateado (embora …). Eu adoro mostrar o que estou contando em fotos, mas me incomodou muito, Fotos são absolutamente proibidas no Palazzo da Pena! E quando digo absolutamente, valorizo ​​minhas palavras! Tentei me desviar da regra, mas em todas as salas os guardas estão na ponta dos pés e uma ou mais câmeras estão escaneando. Eu me resignei e desisti da ideia.

No entanto, posso dizer-vos que embora fosse bastante cético (não me interessa muito as visitas aos palácios poeirentos), também fiquei impressionado com os interiores do Palazzo Pena. Cada quarto tem móveis e objetos reais. Muitos painéis explicam bem a vida da época. A decoração é magnífica com paredes pintadas a grisaille (molduras falsas) ou esculpidas com precisão com preciosos relevos de renda. A geometria contém motivos árabes. Resumindo, este é o meu palácio preferido em Sintra porque é o mais notável e o mais completo.

Para não deixar você com fome, ainda encontrei um vídeo para ilustrar meu ponto.uma conexão Tenha fotos.

Depois regressámos ao centro de Sintra Parque da pena. Ao cair da noite não ficamos muito tempo, mas é um lugar agradável, principalmente no calor do verão. Atravessamos a Bacia dos Monges (viveiro de rãs), a Capela Manuelina (completamente fechada), a estufa do jardim, o Fontaine aux Petits Oiseaux (pavilhão de estilo islâmico com cúpula esférica) depois o Vale dos Lagos com os seus cisnes e patos.

Existem muitos palácios para visitar em Sintra. Existem uma dezena de locais turísticos no local, como a Abegoaria e a Quinta da Pena, o chalé e jardim da Condessa d’Edla, a escola portuguesa de arte equestre, a Quintinha de Monserrate … mas os mais famosos são o palácio e a Quinta da Regaleira, construído no XXé Século de milionário português de estilo renascentista-manuelino-romântico, que alia arquitectura, gótico, simbolismo e esoterismo (exactamente isso !!). A sua visita pode ser adicionada ao programa do dia em Sintra. Também há o parque do palácio e Monserrate, Jardim botânico com caminhos sinuosos e lagos, situado entre ruínas, cantos e cachoeiras, o convento capuchinho (9 km do centro). Mas para fazer tudo isso você pode precisar de um segundo dia lá.

Outro monumento para ver Palácio Nacional de Queluz, uma antiga residência real a meio caminho entre Sintra e Lisboa. Magnífico exemplo da arquitetura portuguesa do final do século XVIIIé Século com peças com decoração rococó, como a magnífica sala do trono com paredes forradas a espelhos e uma magnífica talha dourada. Os jardins circundantes são adornados por fontes e lagos ornamentais, de onde jorra a água de figuras mitológicas escultóricas. ((vídeo)

🇵🇹 Aqui encontrará todos os nossos artigos sobre LISBOA e as nossas viagens por PORTUGAL 🇵🇹

Este blog é totalmente gratuito, mas você pode nos agradecer! 😀 Se você deseja reservar um hotel ou uma passagem de avião, navegue pelos links para nossos parceiros BILHETEIRO ou ÚLTIMO MINUTO. Não custa mais nada e nos ajuda a continuar a aventura, compartilhando conteúdo acessível a todos. Obrigado pela ajuda! 🙏

Você também pode estar interessado em estes posts relacionados:

desbp
desbp

Utilizamos cookies para melhorar a experiência do utilizador. Seleccione aceitar para continuar a navegação. Política de cookies

Ir para cima