28.9 C
Nova Iorque
Terça-feira, Julho 27, 2021

Buy now

Cunha: hospedagens, restaurantes, olaria, lavanda e muito mais

Atualizado em novembro de 2020

Por Mirela Mazzola

Conhecida como a terra dos oleiros, Cunha abriga lindos ateliês e pousadas ideais para casais que buscam sossego e sossego. Os principais atrativos da cidade são a simpática área urbana repleta de ladeiras e a estrada que leva a Paraty. A rota faz parte do Caminho Velho da Estrada Real, usado para transportar ouro de Minas Gerais até o litoral do Rio de Janeiro no século XVII. Entre curvas, a rodovia oferece belas vistas da montanha e também dá acesso a restaurantes, lavanderia, cervejaria e um dos núcleos do Parque Nacional da Serra do Mar com trilhas e cachoeiras.

Quando devo ir

Entre abril e outubro, principalmente nos meses de inverno, as temperaturas são agradáveis ​​para quem espera o frio da serra. Há cerca de cinco vezes por ano, geralmente nos feriados Vagas de lote (É costume encher fogões com peças de cerâmica antes do acendimento) em eventos abertos ao público. Há mais de duas décadas, em julho, o Festival de inverno anima a cidade com concertos, coros, espetáculos de dança e teatro, oficinas, exposições de cerâmica e uma revisão gastronômica. Mais recentemente, o Festival de verão na montanha – Festival da Cunha acontece em janeiro e oferece shows de free jazz, blues, soul, rock e MPB na Praça da Matriz. As atividades da cidade geralmente são anunciadas no site oficial de turismo.

COMO CHEGAR LÁ

Saída São PauloÉ possível pegar o sistema Ayrton Senna-Carvalho Pinto (SP-070) até Taubaté e Via Dutra (BR-116). Você também pode deixar a capital por esta rodovia. Na Rodovia de Guaratinguetá, pegue Paulo Virgínio e continue por 48km até Cunha.

COMO DIRIGIR

A área urbana concentra-se nas oficinas de cerâmica pelas quais a cidade é famosa e em algumas tabernas. A maioria das acomodações e passeios na natureza são acessíveis pela cênica SP-171 que liga Cunha a Paraty – um carro é essencial para quem deseja conhecer essas atrações.

O QUE FAZER

Terra de cerâmica

A queima no forno Noborigama, antigo artefato produzido na China e distribuído no Japão, é a técnica mais antiga e tradicional dos oleiros Cunha (existem também aparelhos elétricos, a gás e raku em forma de tambor). O Noborigama no topo do morro vem com lenha e tem uma temperatura interna de mais de 1.300 ° C. Por alguns meses vem com peças de barro feitas à mão. Após o enchimento, o recuperador é aceso em duas lareiras por mais de 30 horas. Após o resfriamento, o Abertura de lotes, que acontece cerca de cinco vezes ao ano, já se tornou um grande acontecimento no calendário da cidade. Na técnica de queima de rakuas peças têm um acabamento brilhante – o visitante também pode acompanhar o processo (siga o programa continue aqui) Lembramos que a visita às lojas de artesanato e a venda de peças decorativas e funcionais acontecem durante todo o ano.

Dois imigrantes trouxeram a arte da cerâmica para Cunha na década de 1970 e ainda mantêm suas oficinas: os japoneses Mieko ukeseki (faço Atelier Mieko e Mário) é portugues Alberto Cidraes, faço Matadouro Atelier do Antigo. Os estudos também utilizam a técnica de Noborigama. Suenaga e jardineiro é Oficina de olariapor Leí Galvão e Augusto Campos. Estes são outros nomes familiares da cidade Flávia Santoro, Oficina da Galeria Tokai, Arte em cerâmica de Gaia é Cerâmica de carvalho. eu estudo Yas e brisa transforma a argila em difusores e colares de aromaterapia. O oleiro Erica cassinha também faz peças lindas e com ótima relação custo / benefício. Outros oleiros exibem em Casa do artesão.

Em vez de argila, prata e pedras brasileiras, elas viram a arte nas mãos dos artesãos Lápis lazuli, Estúdio que fabrica joias sem cola ou solda para inserir pedras no metal com a simples pressão de um martelo.

Um mapa com a localização dos principais estúdios está disponível nas pousadas e no posto de turismo do portal da cidade.

Entre montanha e mar

As paisagens exuberantes de Cunha estendem-se entre a Serra da Bocaina e a Serra do Mar. Os Cunha-Indaiá do Parque Estadual da Serra do Mar está sediada na cidade (para chegar à recepção é preciso percorrer 20 km de estrada de terra) e oferece Trilhas com cachoeiras e vegetação nativa da Mata Atlântica. Tu es:

Rio paraibuna – A trilha autoguiada se estende por 1700m entre as araucárias em cerca de uma hora. Passe por três cachoeiras e fontes de banho. Não há necessidade de planejamento.

lindo rio – Com uma distância de 7,6 km, demora cerca de 4h30 com um elevado grau de dificuldade (saída às 10h00). A principal atração é a Cachoeira da Laje com piscina. Ao longo do caminho é possível observar vestígios de animais como antas, queixadas e pumas.

cachoeiras – Com 14,5 km é o mais longo e também dura cerca de 5:30. – Metade do percurso pode ser percorrida em viatura própria (saída às 10h00). O percurso segue pelo Rio Paraibuna, passa por duas cachoeiras até a cachoeira do Rio Ipiranguinha.

Trilha Arapongas (bicicleta própria) – Apesar de dirigir sozinho, é necessário estabelecer um horário. A trilha se estende por 12km em cerca de 3 horas e segue ao longo do Rio Paraibuna e duas cachoeiras. A trilha era uma antiga estrada usada por moradores locais.

O escritório está aberto todos os dias das 8h00 às 17h00. A entrada e as trilhas são gratuitas, mas é necessário planejar os percursos monitorados na secretaria do parque municipal (Praça Midair José Teodoro, nº 101, Falcão, ou pelo telefone e e-mail, 12-3111-1818 / 2353, pesm. Cunha @ fflorestal .sp.gov.br). Se quiser passar o dia por lá, faça um lanche, pois não há restaurante ou lanchonete.

As belezas de Paraty-Cunha (SP-171)

Uma das estradas mais pitorescas do Sudeste, a SP-171 (RJ-165 ao entrar no estado do Rio de Janeiro) é repleta de pousadas, restaurantes e atrações entre curvas. Em 2016, após anos sem pavimentação, foi pavimentado o último trecho de cerca de 9 km do Parque Nacional da Serra da Bocaina e uma passarela para circulação da fauna em Paraty, transformando a estrada em uma bela estrada dentro do Parque.

N ° km 54,7, A lavanderia Nasceu como uma plantação de matéria-prima para a produção de essências, hoje é uma estância turística. O campo de lavanda de 6.000 metros abre nos finais de semana e é florido o ano todo. Junto com boas fotos, você também pode incluir produtos à base de plantas (como manjericão, alecrim e verbena), como óleos essenciais e cosméticos.

Mais adiante, 4 quilômetros depois do Lavandário, você encontrará O olival. O Brasil não tem tradição na olivicultura, mas nos últimos anos esse mercado surpreendeu o surgimento de pequenos produtores de azeite. No Olival é possível provar azeite e também almoçar (mediante reserva). Curiosidade: As oliveiras “ouvem” música clássica. Segundo os criadores do local, “a música pode ressoar com as frequências naturais de vibração das folhas, que influenciam o estado energético das clorofilas e consequentemente aumentam a fotossíntese”.

Outro lugar para provar a lavanda é o Pertinho d’Olival, mas é menos popular que o Lavandário. O lugar está chamando O contemplativo Além da lavanda, também são plantadas ervas e caminhos. Há também uma loja, um bar e apenas um chalé para se hospedar. A vista é incrível, com um lindo terraço e janelas salientes.

A rota de Paraty Cunha também oferece boas trilhas para caminhadas. Com acesso ao km 65,5 da SP-171, o Pedra Macela é um dos cartões-postais de Cunha. A vista de 1850m é impressionante e atinge a Ilha Grande e as baías de Paraty e Angra dos Reis. Existem 2km de trilhas íngremes do estacionamento. Não vale a pena se o céu estiver nublado – você só verá nuvens.

Do outro lado da rua está o Cervejaria Wolkenburg usa ingredientes da Alemanha e água de fontes locais para produzir quatro tipos de cerveja (escura, rústica, clara e adequada) sem conservantes ou aditivos químicos, uma delícia! Nos finais de semana e feriados, o tour pela cervejaria começa com uma explicação dos tipos de bebidas e termina com uma degustação. Além das vendas locais, a produção ocorre apenas na cidade (em Empório de café e arte e no mercado urbano).

ONDE DORMIR

Cunha tem albergues adequados para casais tanto no centro quanto na estrada que liga a cidade a Paraty – a vista da montanha costuma ser uma vantagem deles. É preciso percorrer 6 km de estrada de terra para chegar à cidade mais encantadora: a Barra do Bié Possui espaços sociais confortáveis ​​e chalés bem equipados com antessala, cadeiras de leitura e uma cama king size com livros térmicos. Mas a alma do restaurante está no serviço atencioso dos proprietários, o casal Ciro e Ana Rosa Calfat, que adoram servir refeições fartas – o pequeno-almoço é servido até às 14h00.

A paisagem cercada por montanhas de Quinta da Serra não pode ser derrotado entre os albergues da cidade. Existem apenas quatro cabines com lareira, cama queen size e varanda com rede (metade das quais com encanamento). PARA Pousada CandeiasOs chalés de tijolos à vista vêm em três tamanhos e são feitos de madeira limpa. A bela vista Shambala cama e pequeno-almoço É compartilhado pelas suítes e chalés – todas as acomodações possuem lareira e varanda com rede (os chalés também contam com jacuzzi). O café da manhã até as 11h30 combina produtos lá preparados como queijo branco, queijo, pão e geléia.

Quase antes de O Lavandário, o Pousada da Mata Tem duas piscinas (uma das quais de água mineral), sauna e jacuzzi. Na sala de pequenos-almoços (onde também são servidos pratos à la carte) o protagonista é o forno a lenha com placa para aquecer pão e queijos. Além disso Pousada dos Anjos Apresentam detalhes encantadores, como móveis antigos, salamandras e paredes de pedra. A chamada casa histórica é construída em pau-a-pique há mais de 200 anos e é adequada para famílias e grupos de amigos. Tem três quartos, duas casas de banho e uma cozinha totalmente equipada com fogão a lenha e gás. PARA Pousada dos Girassóis Existem casas de férias para casais e até quatro pessoas. As atividades recreativas incluem piscina, pomar e lago de pesca.

Perto do centro que Pousada Cheiro da Terra tem um diferencial interessante: Uma oficina de cerâmica onde os hóspedes podem realizar as suas próprias peças com a ajuda de técnicos. A recepção também é em áreas urbanas, perto dos estúdios Esquina da girafa parece uma extensão da casa dos proprietários, Marisa e Renato Freitas. Você está diante de tudo: do café da manhã às noites de bate-papo com piano ao vivo. Na mesma região está o Pouso Caminho das Artes Possui chalés e suítes com lareiras em terreno firme.

Para famílias com crianças, também é uma ótima alternativa Fazenda Alvorada, com piscina, cavalgada guiada e pesca esportiva e pequeno lago Hotel Fazenda São Francisco, que inclui cachoeiras, trilhas para caminhada e uma minifazenda (neste último se aplica a diária em pensão completa).

Pesquise aqui outros alojamentos em Cunha.

ONDE COMER

Cunha tem restaurantes no centro e também ao longo da SP-171 que liga a cidade a Paraty (observe o horário de funcionamento, muitos funcionam apenas nos finais de semana). OU Bistro La Taverne Localiza-se em um lindo local na estrada de acesso à Pedra da Macela. Pão, aperitivos de cogumelos, queijos, massas recheadas como pinhões e ravióli de ricota fresca são produzidos no local. As sugestões dependem da época, assim como o Refúgio do Pinhão com truta defumada e paella de cogumelos. Também cercado por vegetação Villa favorita (não tem site, 11 / 3957-0669) serve excelentes massas caseiras da casa, como pappardelle e tagliatelle. Acompanhando isso, o famoso bolo de carne recheado fica a sugestão. Produtos locais como truta, shiitake e pinhão são usados ​​na cozinha do Gnomede onde vêm receitas como ensopado de borrego com shiitake de manteiga flambada e purê de banana dois.

Na área urbana é o Melhor tempo Funciona diariamente para o almoço e serve pratos da culinária brasileira à base de vegetais e verduras da própria horta. Mais íntimo do que Drão Abriga uma loja de acessórios, antiguidades, obras de arte e luminárias. No cardápio estão trutas, filés e risotos. OU Cangalha Smash Possui uma bela varanda onde você pode experimentar receitas como leitão, pururuca e lhama de cordeiro com purê de maçã.

PONTA DE TRIAGEM

UMA final de semana Em Cunha, ele trata dos principais atrativos da cidade: oficinas de olaria e passeios pela natureza. Vale a pena usá-lo no sábado de manhã para um passeio pela cidade Parque Nacional da Serra do Mar – é necessário programar; A maioria exige planejamento e a saída é às 10h, além de uma estrada de terra de 20km. Ou entre em um dia claro Pedra Macela. O almoço pode ter acabado Bistro La Taverne, perto, espere Cervejaria Wolkenburg. Se o tempo permitir, a última parada será antes do pôr do sol A lavanderia (Você também pode visitá-lo aos domingos). Muitos hostels servem jantares aos hóspedes (peça o seu, principalmente se estiver longe do centro e quiser consumir álcool).

Domingo é o dia para visitar Oficinas de cerâmica Quem tornou a cidade famosa? Tente ir ver pelo menos um usando Noborigama, técnica pioneira entre os oleiros da cidade (dá para ver o forno nos ateliês Mieko e Mario, Alberto Cidraes, Suenaga e jardineiro é Oficina de olariapor Leí Galvão e Augusto Campos. Depois ou entre as corridas, o italiano é uma boa ideia para o almoço Villa favorita.

Veja também:

As melhores cidades serranas de São Paulo e Rio de Janeiro

Outros destinos de montanha no sudeste:

Serra da Mantiqueira

Campos do Jordão

Gonçalves

Montanha verde

Santo Antônio do Pinhal

São Bento do Sapucaí

São Francisco Xavier

Related Articles

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Stay Connected

0FãsCurtir
2,870SeguidoresSeguir
0InscritosInscrever
- Advertisement -spot_img

Latest Articles